Como funciona a pedagogia Montessori?

 

Na escola tradicional montessoriana não há provas nos primeiros anos escolares, não há

globechildren
Na Austrália

crianças sentadas enfileiradas olhando para a professora na frente da sala de aula e o professor não ensina a mesma coisa para todos ao mesmo tempo como na escola tradicional. Mas funciona isso? Não vira um caos?

Não. Funciona da seguinte maneira: Não há mesas e cadeiras enfileiradas. Na sala de aula cada criança tem seu espaço, um tapetinho no chão onde ela pode trabalhar. Ela também é livre para se movimentar na sala de aula. Movimentar-se sim, mas com naturalidade, sem correr ou se comportar de maneira desagradável. Seus próprios colegas de classe cuidam para que ela se comporte desta forma. Com o tempo elas aprendem naturalmente que respeito mútuo é bom e faz parte do cotidiano.

O aluno aprende com materiais didáticos de acordo com o assunto o qual ele está interessado em trabalhar. O material pode ser o tradicional montessoriano  ou complementar. O trabalho pode ser individual, em dupla ou em grupo. Por exemplo: o aluno que está começando a aprender a ler. Ele pega da estante um material destinado a isso, ou a professora oferece a ele o material adequado. A criança vai com este material para o seu tapetinho e começa a trabalhar com ele. A professora apenas dá as primeiras orientações e se afasta para dar espaço para o aluno ou o grupo praticar o que foi ensinado. Quando a criança tem dúvidas, a professora volta, esclarece e se afasta de novo. O aluno tem mais autonomia no seu aprendizado, tem tempo para pensar e organizar sua forma de pensar e no processo de ter e tirar dúvidas, consegue estruturar sua própria forma de aprender.

004158
no Japão

Ás vezes a professora não é necessária, um outro aluno que já sabe o tema esclarece para seu colega, e neste processo os dois aprendem. O aluno que já sabe fixa ainda mais a matéria, pois ensinar é aprender dobrado, e o que está aprendendo, aprende com mais prazer, pois as crianças conversam através da mesma linguagem.

E a correção? A correção é feita normalmente pelo aluno mesmo, de forma autônoma através do material didático. O material foi desenvolvido para possibilitar para a criança a autocorreção da sua atividade. E como eles prestam atenção! Como eles se concentram com esta correção. Claro que de tempos em tempos o trabalho do professor é observar se o aluno está aprendendo de fato o tema. Isso é feito de uma forma informal e constante, através de perguntas orais e com a presença do professor nas atividades onde a criança está trabalhando.

O professor não é ausente, ele é presente quando necessário, proporcionando ao aluno a autonomia que ele já é capaz de ter. O papel do professor é de acompanhante do processo de aprendizado. Ele ajuda e incentiva quando necessário. Ele caminha ao lado e não à frente do aluno.

Não há provas, mas há um relatório detalhado de cada aluno. Não há um número que reduz o que o aluno aprendeu. Será que um aluno que tem uma nota 8 sabe a mesma coisa que outro aluno com a mesma nota? Todo professor sabe que não. Notas são relativas e muitas vezes injustas. Já um relatório de um trabalho de observação constante do professor é muito mais confiável. Dá uma visão muito mais exata do que foi aprendido pelo aluno. E mais, em um relatório o professor pode avaliar não só o desenvolvimento intelectual do aluno, mas seu desenvolvimento sócio-emocional.

O professor não se posiciona na frente da sala e dita o que tem que ser aprendido por todos e ao mesmo tempo.  O professor tem uma meta a ser alcançada em um ano. Mas a ordem e o tempo em que isso tem que ser aprendido, é falado e refletido com o aluno por partes. Cada aluno tem que planejar sua semana. Quando a criança é nova na escola, precisa de uma maior orientação do professor. Aos poucos a criança mesma aprende sozinha a organizar suas metas. O orgulho deste trabalho por parte da criança é enorme. A sensação de ter conseguido estar no comando de si mesma é muito melhor do que a sensação de ter obedecido a professora. A autoconfiança cresce constantemente. Descrevo um exemplo prático: a criança planeja que na semana vai escrever a redação sobre o tema da classe no momento -meio ambiente-, que ela vai fazer uma série dos exercícios de multiplicação, que vai estudar seu texto para o teatro e que vai trabalhar com o amigo os nomes das capitais brasileiras. No final da semana ela se reúne com a professora e mostra para ela se o objetivo foi atingido. Se não foi atingido, se a criança não cumpriu o que foi planejado, eles conversarão porque, e o que tem que ser melhorado. Vocês percebem que é um trabalho individualizado e com responsabilidade?

002952
Nos EUA

O professor montessoriano não perde a voz, pois ele não fica gritando para alunos ouvirem no fundo da sala de aula. O trabalho é personalizado. E ele não sofre de stress constante ou modernamente de “burnout”, pois sua responsabilidade é dividida com o aluno e ele tem o apoio dos pais. Em algumas instituições eles trabalham em dupla na sala de aula.

Parece muito bom para ser real? Pois é real. Milhares de instituições trabalham com o  método Montessori com o mais absoluto sucesso no mundo todo. O princípio desta filosofia e do método é a base da educação dos países nórdicos, considerados hoje os melhores do mundo.

Simone Clemens/pedagoga montessoriana pela Associação Montessori de Aachen/Alemanha/ AMI (Associação Internacional Montessori) e especialista em superdotação na infância e adolescência pela IFLW/Alemanha

Nós usamos Cookies para garantir que você tenha uma ótima experiência no nosso site. Caso você continuar usando este site, nós partimos do princípio que você está de acordo com isso.  Saiba mais