Seu filho, você e a amamentação I

Sim, o bebê mama quando precisa mamar e fica no peito o quanto precisa ficar. E tudo isso tem um sentido muito importante programado pela natureza.

Tanto no aspecto de desenvolvimento físico quanto psicológico.

No lado físico o bebê precisa mamar o quanto quiser, pois a composição do leite da mãe, é produzido e sugado conforme a necessidade do lactante.

O leite do início da mamada é mais rico em água e hidrata o nenê. Por isso o bebezinho que somente mama no peito não necessita tomar água, nem chá nos primeiros meses de vida. Já o leite posterior (mais para o final da mamada) é mais rico em gordura e se destina a saciar de fato a fome da criança e para que ela ganhe peso. Quanto tempo leva da passagem de um leite para o outro é completamente individual, depende de vários fatores, inclusive da alimentação da mãe e do quanto aquela criança tem de fome e sede naquele dia. Por isso mamar não deve ter tempo estipulado pelo adulto.

A saúde do seu filho está em suas mãos. Raras são as mães que não conseguem amamentar – muitas são as mães que não tem orientação adequada durante a lactação e muitas são as mães que não podem amamentar por problemas e traumas psicológicos da sua infância!

A hora da mamada é o momento mais forte de construção de vínculo afetivo da mãe e do bebê. Ali une-se o aconchego, o calor do colinho, o cheiro da mãe e do leite (alimento), o som e o pulsar das batidas do coração tão já conhecidas do bebê, a comunicação pelo olhar, o toque do corpo.

E não, o bebê não faz seu peito de bico, chupeta, às vezes ele precisa desse calor, dessa aproximação, ou de uma pausa para continuar a sugar ou às vezes simplesmente da segurança que o seu acercamento proporciona.

Momento de afetividade, de cuidado e de confiança que constrói e fortalece o vínculo afetivo entre mãe e filho.

Emmi Pikler tem como um dos momentos mais importantes de construção de afeto, cuidado e confiança entre mãe e filho. Cuidado emocional e físico. Essa base emocional juntamente com um desenvolvimento físico optimizado é a sustentação de uma aprendizagem de qualidade.

Um grande psiquiatra, psicanalista e pesquisador chamado John Bowlby e sua parceira, psicóloga Mary Ainsworth, desenvolveram um grande estudo nas décadas entre 60 e 80, chamado “Teoria do Apego”.

Nesses anos de pesquisas e experiências com mães e bebês, eles concluíram que a qualidade da construção do vínculo afetivo entre bebê e quem o cuida intensamente no seu primeiro ano de vida, é tão importante que suas consequencias podem acompanhar a criança por uma vida inteira!

Esses estudos nos mostram que há uma relação muito forte entre o tipo de relação afetiva construída nesses primeiros tempos de vida e o comportamento do adulto e suas relações afetivas na família, de amizade e até amorosas.

“Ah antigamente não era assim e tornaram-se adultos, conseguiram crescer da mesma forma”

Ah Sim? Mas quantas crianças não desenvolveram seu cérebro como poderiam, quantos adultos precisam de uma vida inteira de terapia por não conseguirem sentir-se bem em relações afetivas, quantos adultos não conseguem desenvolver e por em práticas seus talentos sem explicação lógica…

Para problemas ou dificuldades na amamentação , procure um especialista, doula, enfermeira, médica que possa orientá-la. Acredite: a amamentação é possível na maioria dos casos – basta ter paciência, orientação e ter conhecimento de todos os seus benefícios.

Simone Clemens – Pedagoga montessoriana e Especialista no tema Talento/Superdotação e Altas Habilidades, Fundadora da EducarSi – Alemanha

Fontes: La leche Liga, AFS Stillen, Pikler Emmi: friedlicher Babys – zufriedene Mütter; Pädagogische Ansätze, Bowlby J, Ainsworth Mary: Bindung und Menschliche Entwicklung


Nós usamos Cookies para garantir que você tenha uma ótima experiência no nosso site. Caso você continuar usando este site, nós partimos do princípio que você está de acordo com isso.  Saiba mais